tempo

enquanto a manteiga doura a cebola: o tempo do meu sangue começar a escorrer pelo talho no dedo e a fumaça se espalhar…

sopro-a pra longe, abrindo espaço.
nem assim desce o pranto

quanta pele há entre o ar e o sangue?
quanta anestesia há num corpo por transbordar?

só sei o que não sou: não a mesma de ontem,
nem uma desconhecida.

carne irrigada, corpo arfante
mirada que faísca: estou.

viva, vibrantemente,
vivo.

obra: For each extensil a revolution, de Latifa Echakhch, exposta no MACBA em março/2018.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *