image

vendo o tapete iluminado
de nuvens sob o sol
só penso naquilo.

não é que eu acredite na vida após a morte
nem que conceba a ideia de ir para o céu
não é mesmo nada disso

o desejo é bem terreno e,
não fossem as carnes,
a gravidade talvez permitisse
um passeio ou uma corrida
sobre as nuvens.

Tomé destrata as namoradas, gaba-se por nunca ter começado a namorar por opção, só por convencimento. Os relacionamentos que assistiu e viveu calcavam-se no sofrimento, talvez por isso esteja preso na concretização deste imaginário. Talvez por isso vá se achar eternamente desprivilegiado em relação ao restante que, de diferente, parecia ter alguma estrutura: de família, de amor, de grana. O problema das pessoas que se sentem desprivilegiadas sem necessariamente o ser é que podem passar a vida buscando pequenos privilégios que custam o prejuízo de algumas pessoas, simplesmente porque já viveram o prejuízo e acham que às outras pessoas cabe em algum momento vivê-lo. Como se infligir a crise a certa pessoa seja tarefa de outra pessoa específica. Basicamente, se põe a brincar de universo para corrigir onde a sociedade, claramente, errou. Este sentimento de compensação pode, inclusive, basear relacionamentos profissionais e afetivos, sejam eles profissionais ou de amizade. O meu benefício pelo seu prejuízo. É uma ação quase educativa, na visão do prejudicado, ou até algo meio Robin Hood, não fosse cruel, por ser calcado em parâmetros unilaterais. Há uma nuvem muito fina, tão fina que não se vê, que embaça essas relações e esse embaçamento pode ser fatal. Inclusive quando percebe-se que o embaçamento está ali, mas prefere-se não olhá-lo – outro erro comum cometido por pessoas polianizadas, que querem acreditar que o mundo é só aquele que se imagina. Logo, se eu não enxergar, não verei o que se passa. E, se eu não vejo, isto não existe. Se não existe, não me toca. A questão é que o embaçamento é muito diferente de nada, ele existe.

Não se pode confundir algo que existe com nada.
Não se pode confundir algo que existe com nada.
Não se pode confundir algo que existe com nada.

Nota para não-esquecimentos. Nota para não-enganamentos inconscientes de si mesmo. Nota para autoavivamentos.